31 agosto, 2009

A última Procissão


"De Cilhades ficar-nos-á a recordação. A História de uma aldeia que resistiu ao abandono de todos os homens de cá, mas que foi incapaz de resistir à decisão de um pequeno grupo de fora.

Um calor intenso afogueia os rostos dos poucos “romeiros” que às 18 horas da tarde se juntam em redor da capelinha de S. Lourenço. Hoje é dia 19 de Agosto e em Cilhades comemora-se a festa do seu padroeiro."

Resto da notícia aqui: Notícias do Nordeste

29 agosto, 2009

Adro

O sagrado e o profano tocam-se, confundem-se e esta proximidade nem sempre é pacífica. Numa altura em que têm vindo na comunicação social alertas de vandalismo junto à igreja, é importante reflectirmos nos valores com que estamos a educar os nossos filhos. Não é uma questão de fé, é uma questão de civismo, de respeito e, sobretudo, de cultura, ou falta dela, que é o que muitas vezes se nota.
Fica esta imagem de paz e harmonia entre a igreja e o espaço circundante, em Torre de Moncorvo.

26 agosto, 2009

Plataforma Sabor Livre não desiste de travar a barragem do Baixo Sabor

A Comissão das Petições do Parlamento Europeu vai analisar na próxima terça-feira uma queixa apresentada pela Plataforma Sabor Livre (PSL) contra a construção da Barragem do Sabor.

Apesar de estar em construção há mais de um ano, aquele empreendimento hidroeléctrico no concelho de Torre de Moncorvo tem sido alvo constante de processos judiciais movidos pelo movimento ambientalista. As obras chegaram a estar suspensas durante o mês de Janeiro deste ano por causa de um providência cautelar interposta pela PSL, que depois foi rejeitada pelo Tribunal Administrativo de Mirandela.

A queixa que vai ser analisada no dia 1 de Setembro pela Comissão das Petições garante que “a construção da barragem no vale do rio Sabor constitui um atentado à conservação da natureza e não tem utilidade energética”.

A PSL requereu ao Parlamento Europeu para sugerir à Comissão Europeia a "não atribuição fundos estruturais" à construção da barragem e também para que garanta que as autoridades portuguesas “suspendam o projecto" até satisfazerem as condições previstas para conservação da natureza.

Eduardo Pinto/Rádio Ansiães

24 agosto, 2009

No Pocinho


Que estranho aparelho pesará um talvez antigo cesto coberto por um talvez
recente saco de "red potatoes" from Holland de 25 kg, na estação de
comboio do Pocinho, em 23 de Julho de 2009, onde se encontra este belo
painel relativo às vindimas?

Resposta:
Uma certa relíquia!



J. Rodrigues Dias
(Enviado por email)

19 agosto, 2009

Dia Mundial da Fotografia

A fotografia é a minha forma privilegiada de ver a vida desde os primeiros anos de adolescente. Por vezes mais natural, outras vezes mais editada, mas sempre reflectindo uma forma de olhar, nem sempre como vejo, mas mais como sinto. Já há alguns anos passou também a ser o álibi para muitos momentos, muitas, muitas horas À Descoberta. À Descoberta das coisas, dos seres, das emoções, no fundo... de mim mesmo.
Num dos momentos de "Descoberta" passei por Carviçais, atravessei toda a aldeia até ao cemitério e, fotografei uma cruz de pedra virada para o Cabeço da Mua. Ficou gravada, na máquina fotográfica e na minha memória.

17 agosto, 2009

15 agosto, 2009

Cabeça Boa (2)

Varandas típicas, em ferro forjado, em Cabeça Boa.

13 agosto, 2009

Açoreira (2)

Vista parcial de Açoreira.

10 agosto, 2009

Cão de fora


“Quando olhamos para alguém, logo julgamos sem conhecer.
Por vezes julgamos mal somente pelo parecer.
Com o tempo conhecendo a pessoa, vemos que nos tínhamos enganado a seu respeito, por isso mais vale não julgar, mas aprender a conhecer e cultivar a amizade.
Curiosa terra esta de gente fina e sabida, quando cheguei a Moncorvo, já lá vão 13 anos, todos me olhavam com curiosidade e até agressividade.
Com o tempo foi sendo conhecido e adoptado, até que um dia um já falecido Sr. me chamou cão de fora.
Tais palavras ainda hoje me ecoam na cabeça, como que me lembrando que não pertenço aqui.
O certo é, com o tempo já não sei de onde sou.
Hoje de uma Moncorvense tenho um filho que se afirma Moncorvense também, ficando cada vez mais as minhas raízes enraizadas nesta terra.
Serei cão de fora ou já da terra?”

Solitário

(Enviado por email)
Fotografia: Cachorro de olhar meigo, em Peredo dos Castelhanos.

08 agosto, 2009

Céus de Moncorvo (1)


Nos fins-de-tarde de Agosto sabe bem dar um passeio pelas ruas calmas de Moncorvo. Com um pouco de sorte (e alguma sensibilidade) podemos ser surpreendidos com paisagens como esta.

06 agosto, 2009

Nossa Senhora do Amparo - Felgar

De 20 a 24 de Agosto, no Felgar, festas em honra de Nossa Senhora do Amparo.
Fonte: António Cristino

Foz do Sabor (1)

Os barcos dos pescadores da Foz do Sabor são dos motivos mais fotografados do concelho de Moncorvo. Também eu quis fazer uma homenagem a este lugar tão bucólico, com uma fotografia que pretende transmitir a atmosfera que ali é possível encontrar.

04 agosto, 2009

Porta em Carviçais

Porta em Carviçais. Além da cor e dos pequenos corações recortados para ventilação, tem dobradiças e uma fechadura em ferro bastante curiosas e fora do vulgar.

03 agosto, 2009

Pensamentos profundos

Há temas pouco abordados, quer na poesia, quer na prosa. Talvez porque é desagradável falar neles, ou simplesmente por um desvio inconsciente de se falar ou escrever sobre o que mais nos atemoriza.
É interessante quão poucas são as pessoas capazes de expor de alguma forma o que pensam sobre a morte. Assunto mórbido, dirá a maioria. Claro ! E com razão. Mas o certo é que de alguma forma, mais cedo ou mais tarde, com mais ou menos frequência, com ou sem intenção, este assunto surge sem convite.
Eu costumo dizer que o facto de acreditarmos numa realidade, de maneira nenhuma nos obriga a aceitá-la. O que é mau é sempre mau, bem que nalguns casos o que é mau, seja de certa forma um alívio de algo pior.
Ter medo, às vezes é saudável, pode proteger-nos de muitos perigos, mas sinceramente o medo de viver é bem mais assustador do que o de morrer.
Isto, porque enquanto vivemos existe algum poder, limitado é verdade, mas existe. Podemos direccionar sentimentos, tomar decisões e orgulhár-mo-nos delas, controlar de alguma forma aquilo que dizemos e fazemos, admirar com todos os nossos sentidos o que de mais maravilhoso possamos encontrar, … mas sem fugir à realidade. Sim, podemos dar-nos conta também de ter como provável ou certo algo mau, mas a consequência dessas certezas num ser inteligente e capaz como o de um ser humano devia ser o de desfrutar com apreço, respeito e amor o que de mais frágil e valor temos: a vida.
A morte

A morte, inimiga de quem ama,
amiga do sofrimento e da saudade.

Todos a temem,
menos aqueles que ela já arrebatou.

A morte, tira a vida mas não a apaga.
Rouba as vidas de quem as possui,
mas não elimina as lembranças de quem continua a viver.

Por isso, vivamos com todo o vigor
e façamos viver aqueles que partiram
com forte recordação.

Séfora R.

(enviado por email)