26 agosto, 2009

Plataforma Sabor Livre não desiste de travar a barragem do Baixo Sabor

A Comissão das Petições do Parlamento Europeu vai analisar na próxima terça-feira uma queixa apresentada pela Plataforma Sabor Livre (PSL) contra a construção da Barragem do Sabor.

Apesar de estar em construção há mais de um ano, aquele empreendimento hidroeléctrico no concelho de Torre de Moncorvo tem sido alvo constante de processos judiciais movidos pelo movimento ambientalista. As obras chegaram a estar suspensas durante o mês de Janeiro deste ano por causa de um providência cautelar interposta pela PSL, que depois foi rejeitada pelo Tribunal Administrativo de Mirandela.

A queixa que vai ser analisada no dia 1 de Setembro pela Comissão das Petições garante que “a construção da barragem no vale do rio Sabor constitui um atentado à conservação da natureza e não tem utilidade energética”.

A PSL requereu ao Parlamento Europeu para sugerir à Comissão Europeia a "não atribuição fundos estruturais" à construção da barragem e também para que garanta que as autoridades portuguesas “suspendam o projecto" até satisfazerem as condições previstas para conservação da natureza.

Eduardo Pinto/Rádio Ansiães

8 comentários:

Anónimo disse...

Será que ninguém põe travão a isto? Somos ricos? Quem paga este pára e arranca das obras? É a PSL? Desconfio que sejamos todos nós (cidadãos contribuintes).
A PSL está mandatada para este tipo de acções? Por quem? A cidadania é de todos e não para alguns imporem as suas verdades exercendo um direito que não é penalizado quando se verifica o disparate e o prejuízo.
bird.

Xo_oX disse...

De que disparate é que o bird está a falar? Parar as obras, ou fazer a barragem?

Anónimo disse...

O disparate deve ser parar as obras, naturalmente.O que propõem os chamados ambientalistas não se pode sobrepôr ao bem~estar das pessoas,à sua melhoria de vida.A não-construção da barragem é um atentado ao progresso da humanidade.Ou querem viver na Idade da Pedra?

Xo_oX disse...

Que eu saiba os ambientalistas ainda são pessoas! Quanto ao tão badalado bem-estar basta lembrar o número de barragens que já temos no nordeste transmontano, o que não impede desta ser uma das regiões menos desenvolvidas da Europa.
"Nas margens dos rios Sabor e Douro existe outro tipo de paisagem, a íngreme e acidentada paisagem do "belo-horrível", apenas acessível aqueles que se atrevam a aventurar através de penedos ciclópicos e vegetação rasteira. É o mundo mais natural e selvagem que existe no país. É também o paraíso de certas espécies animais e vegetais em vias de extinção, tais como : a lontra e o lobo, o falcão e o açor, o corço e o gato selvagem, a cobra bastarda e a águia pesqueira." Este pequeno excerto do sítio web da Câmara de Municipal de Torre de Moncorvo não é de minha autoria...
Também não fui eu nem PSL que integramos o Vale do Sabor na Rede Natura 2000. Não foi o desenvolvimento que retirou a bandeira azul à praia fluvial da Foz do Sabor?

arnaldo silva disse...

A fotografia, só porque há água no rio Douro, está excepcional. Seguindo esta linha de qualidade, temos a obrigação de indicar os caminhos de Lisboa, mais propriamente para o Museu da Resistência, para nos sentirmos cheios de mensagens ao ver a exposição do nosso amigo Paulo Patoleia. Está simplesmente divinal e vai ser um sucesso para os valores da terra, amplamente divulgada na TVI. Só tenho pena que o outro blog de Moncorvo assim não entenda e jogue mal ou, simplesmente, arbitre com todas as suas pressões para não divulgar o que de melhor se faz em Torre de Moncorvo nos planos culturais.Concluo que seguem uma linha que em nada valoriza a região. Já o fizeram para a inauguração do Núcleo Museológico da Fotografia do Douro Superior. Além de não divulgarem o evento do ano, dito por todos menos um ou dois, acharam que molhar os pezinhos no rio Sabor, poluído quanto baste, seria o melhor para passar a tarde do dia 12 de Julho.
Também amanhã será um dia importante para Moncorvo com duas grandes actividades:
Exposição do embaixador Martins Janeira e o lançamento de um livro de uma promissora escritora das quintas de Felgueiras.Vou lá para a conhecer.
Já me esquecia de informar os que gostam dos elevados valores culturais da terra, que o Núcleo da Fotografai já recebeu o espólio documental e fotográfico do padre Castro e um outro de um senhor de Penafiel que, ao ver a reportagem deste pequeno Museu ser transmitida no Portugal em Directo, na RTP, no dia 20 do corrente mês, achou por bem doar todo o seu espólio a este grande espaço cultural.

Só não vou a Lisboa porque tenho o carro avariado, mas acompanho a divulgação na TVI e consequentes notícias amanhã.

Um abraço ao Aníbal


arnaldo silva

Wanda disse...

Olá!
Não entrar na questão politico-social-economica-ambiental, pois desconheço os fatos.

Mas que a foto é linda, lá isso é!
Sou a favor de conservá-la!

essas questões ambientais não acontecem só ai.
Aqui querem mudar o CURSO do rio São Francisco
Com 2.800 km de extensão, e drenando uma área de aproximadamente 641.000 km2, o rio São Francisco Apresenta dois estirões navegáveis:de 3.000 km
Um dia este planeta será só deserto e concreto!


Abraço
Wanda
São Paulo, 28 de agosoto de 2009

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...

Do Arnaldo ao Patoleia
Do Aníbal ao Abreu
Estás cada vez mais só
Qual é a tua ao meu?
Qual é a coisa, qual é ela
Que só fala dos amigos, fomenta a discórdia
Fotografia nem vê-la
Nem na senhora dos Remédios nem na Mesiricórdia?